#librasdisciplinaobrigatoria

Câmara de Aracaju aprova inclusão do ensino de Libras no currículo escolar

“Eu fico muito isolada na sala e aula e também na hora do recreio. Acabo perdendo muita coisa pela falta de interação”, relata a estudante Manuela

arquivo/ebc
Desde 2002, a Libras é reconhecida como língua nacional. Luta agora é por maior inclusão

São Paulo – A Libras (Língua Brasileira de Sinais) é reconhecida desde 2002 como meio legal de comunicação e expressão no país. Instituições de ensino devem garantir, de acordo com a lei, o acesso à comunicação, à informação e à educação durante o processo escolar. Entretanto, seria necessária maior disseminação do conhecimento da linguagem para uma efetiva inclusão.

Em vídeo divulgado na semana passada, a pequena Manuela mostra suas angústias e seus anseios sobre a falta de inclusão. Manuela é surda e filha da blogueira Michele Machado (@misurdamg), que também é professora de libras. “Onde eu estudo não há outras crianças surdas. Meus colegas não sabem Libras, não sabem lidar muito bem com a minha surdez”, relata.

“Eu fico muito isolada na sala e aula e também na hora do recreio. Acabo perdendo muita coisa pela falta de interação. Às vezes fico muito triste, nervosa, e isso influencia muito no meu aprendizado e desenvolvimento escolar. Seria muito bom se implantassem a Libras como disciplina nas escolas”, completa a estudante.

Avanços

Em Aracaju, a Câmara dos Vereadores aprovou nesta semana a inclusão da Libras no currículo escolar. O projeto foi votado com sucesso após dois anos de tramitação. O texto é de autoria do vereador Lucas Aribé (Cidadania) e do ex-vereador e atual deputado estadual Iran Barbosa (PT).

“É preciso garantir a autonomia que a comunidade surda tem direito. Para que ocorra a inclusão cidadã, é preciso garantir a educação em Libras”, defendeu Barbosa, em audiência realizada ainda no ano passado. “Propormos, juntamente com o vereador Lucas Aribé, trazer o tema para a Casa porque é preciso ir além do debate. É necessário que a escola bilíngue seja colocada em prática”, completou.

Por sua vez, o vereador Aribé comemorou a aprovação da matéria em suas redes sociais. “Estamos fazendo com que o município comece a estabelecer uma política de inclusão da pessoa surda no ambiente escolar (…) É fato que será necessária uma quebra de paradigmas excludentes. Esse é um grande desafio para as próximas gerações, mas fundamental pois simboliza a socialização entre surdos e ouvintes no dia a dia.”