Luta popular

Campanha ‘Fora Bolsonaro’ começa com faixas em pontes e tuitaço

No primeiro dia da jornada nacional, grupos protestam nas capitais do país para cobrar o impeachment do presidente. Ao longo desta sexta serão realizadas manifestações em 20 estados

Reprodução
Protesto por em viaduto de Brasília nesta sexta (10). #ForaBolsonaro é um assuntos mais comentados no Twitter

São Paulo – O primeiro dia da Jornada Nacional pelo “Fora Bolsonaro” teve início na manhã desta sexta-feira (10), quando pontes e viadutos de diversas capitais foram tomadas por faixas e cartazes cobrando o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. As primeiras imagens de protestos surgiram em Fortaleza. No viaduto da Avenida José Bastos, uma enorme faixa com “Fora Bolsonaro” foi fixada. 

Em outro ponto da cidade, na Praça da Bandeira, um grupo de manifestantes da CUT e do Sindicatos dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde (SindSaúde-CE) também protesta pelo afastamento do presidente. Os manifestantes saem em defesa da vida dos trabalhadores da saúde, que estão na linha de frente do combate à pandemia do novo coronavírus. Os organizadores criticam a omissão do governo diante da maior crise sanitária do último século. O grito pela vida também foi lembrado por manifestantes na capital federal, que com faixas destacam que “a unidade vence o ódio”. 

Junto aos cartazes pedindo “Fora Bolsonaro”, cruzes foram fincadas em um canteiro de praça na cidade de Ouricuri, no sertão pernambucano. Na capital do estado, trabalhadores da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e da CUT estadual também se mobilizam em frente ao Mercado Público de Casa Amarela, zona norte da cidade. 

A CUT também registra atos em Campo Grande, João Pessoa, no terminal de Miramar, em Belém, e nas cidades do litoral paulista São Sebastião e Caraguatatuba. A Frente Brasil Popular em Rondônia também fixou faixas por “Fora Bolsonaro” nas principais entradas e saídas da cidade. 

Tuitaço #Fora Bolsonaro

Trabalhadores do Sindisaúde do Rio Grande do Sul e da CUT-RS começaram os protestos ainda na madrugada desta sexta. Em frente ao Hospital da Pontifícia Universidade Católica (PUC-RS) o grupo cobrou testagem para a covid-19 a todos os trabalhadores da área. Cruzes também foram colocadas em escadaria, lembrando as vítimas, em Florianópolis. 

No Rio de Janeiro, o dia de mobilização também conta com o apoio dos funcionários dos Correios do Centro de Tratamento de Encomendas (Benfica) e de trabalhadores da Petrobras. Em São Paulo o protesto deve ocorrer com apoio da CUT-SP, às 14h, na Praça do Patriarca. 

As mobilizações acontecem dentro das orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) pelo distanciamento social. Enquanto isso, nas redes sociais, apoiadores emplacam a hashtag “ForaBolsonaro”, que já está entre os assuntos mais comentados no Twitter. 

Personalidades políticas e movimentos lembram do descaso do presidente com a população, evidente na pandemia que leva o Brasil a quase 70 mil mortos. “Desde o primeiro óbito registrado pelo coronavírus, Bolsonaro negou evidências científicas, promoveu aglomerações, demitiu dois ministros da Saúde e agora virou garoto propaganda de um medicamento sem eficácia comprovada contra a covid-19”, ressaltou a deputada Erika Kokay (PT-DF) ao destacar o #ForaBolsonaro no Twitter. 

O MST posta que “em tempos de pandemia, estamos vendo ao vivo, a importância de termos um sistema Único, Público, Universal e Gratuito de saúde. Ao mesmo tempo que comprovamos que o governo Bolsonaro é capaz de adoecer um país inteiro”. 

Jornada continua com panelaço

Os protestos foram convocados nesta quinta (9) por um conjunto de frentes, partidos políticos, movimentos populares, sociais e sindicais. Ao todo, são esperados atos em 20 estados do país de acordo com a organização formada pela Central dos Movimentos Populares (CMP) e pela União Nacional por Moradia Popular (UNMP). 

“O nosso propósito é o ‘Fora Bolsonaro’, mas também reivindicar moradia, acesso à saúde, à renda, ao emprego e à água”, explicou o coordenador da CMP e da Frente Brasil Popular, Raimundo Bonfim ao Jornal Brasil Atual

As ações simbólicas devem continuar ao longo da tarde. A população no geral pode se manifestar, colocando também um pano preto em janelas.  Às 19h, será realizado um ato inter-religioso e a programação do dia se encerra com um panelaço às 20h. A Jornada Nacional pelo “Fora Bolsonaro” continua neste sábado (11), com uma plenária com todos os movimentos às 14h.